domingo, 21 de agosto de 2016

Meus 35 anos de vida na fazenda Santa Marina!

Cuidar do que come, do que sente, do que ouve, do que inala, do que vê. Os cinco alimentos em igual importância de que o corpo precisa. Por essa razão todos deveriam preocupar-se a encantar os sentidos de modo a purificar e renovar as células do corpo. Por essa razão viajo a cada três meses.
Sou uma turismóloga exigente (minha primeira formação), a agente de viagens dessa casa (sou eu que decido o caminho) e uma turista complexa: Não gosto de lugar onde todo mundo vai; Não gosto de lugares cheios; Viajo em busca do silêncio, quase solidão, permitindo apenas a companhia agradável do meu consorte que é caladíssimo (eu falo muito, mas em viagem dificilmente se escuta minha voz); Só viajo para lugares onde sou extremamente paparicada, pois se já não estarei em companhia amorosa dos meus pais e parentes a fazerem-me as vontades, só gasto meu dinheiro onde serei recebida não como se me fizessem um favor e não com a simpatia obrigatória...oh não, não...disse-lhes que eu era complexa! O lugar tem que ter montanha, tem que ter magia, poesia em tudo que se vê e tem que me receber com afeto espontâneo. E eu nunca, nunca erro na escolha do lugar. Hospedo-me apenas onde tem alma. 
Desejo esse lugar desde o ano passado. Estudo ele minunciosamente (eu disse estudo no seu significado mais verdadeiro), sei a história do lugar, da família e de tudo o mais que isso envolve.
A casa é do século XVIII, a história é ainda mais antiga. Da mesma família há 50 anos e só em 2002 abriram para visitação. Pouquíssimos hóspedes por vez. Os donos recebem como se fossem amigos à longa data. Estourando vinte pessoas (dei sorte, nos dois primeiros dias éramos seis, depois ficamos apenas eu e Beto), o que torna o lugar exclusivo, exatamente como eu gosto. Quando viajo, meus amigos, não quero ver gente porque eu aprecio ter longas, longas conversas com Deus.
Abri exceção a trocar mensagem apenas com uma amiga (e provo a ela, quanto ela tornou-se importante em minha vida, essencial) e li com dificuldade alguns textos maravilhosos e emocionantes de aniversários nas raras vezes que me aventurei a ficar com o celular no alto da minha cabeça para buscar conexão. Lerei um por um por todo o dia de hoje. Cheguei ao Rio. E deixei Minas como se tivesse deixado um braço lá, deixei com dor: O rio, o lago, a cachoeira, as montanhas, o verde, a tangerineiras, os Jequitibás, o cheiro do gado, os mugidos, o café passado na hora, as comidas que pareciam feitas por minha mãe, o doce de leite tão igual da minha mamizita que fez-me chorar. Minas Gerais é tudo para mim.
Paz e Luz!


quinta-feira, 26 de maio de 2016

Presentes de aniversário já chegando!!!




Eu fico absolutamente enlouquecida quando chega presente para mim, seja ele qual for: Uma florzinha roubada, um pano de cozinha, algo para casa ou para mim, uma carta, farinha da Bahia (o pó mais precioso)!
O presente tem muita importância, mas eu amo mesmo é o afeto da pessoa sem obrigação alguma trazer para mim, por pura vontade de agradar-me e fazer feliz! 
Como não encher o coração de amor, quando alguém se dá o trabalho de trazer 3 pesados quilos de Salvador da mais preciosa farinha, onde o itinerário: Sair da própria casa ir até à Rampa, voltar de lá, levar pro Aeroporto, trazer de lá, depois até minha casa! Muito amor por você Tom Borges! 
Minha madrinha trouxe cá o mesmo presente, mas o pessoal do aeroporto não deixou ela passar com o pó mais desejado por mim (e minha bichinha se deu o trabalho de ir lá na Ceasinha). Mas, minha Dinda, pra mim é como se tivesse aqui nas minhas mãos! Agradeço também pelo amuleto que me destes!
Conjunto de colar e brinco azul safira(minha cor) escolhido por minha aluna e amiga Nazira entregue na comemoração que fiz para ela em sua recente formatura! Ela achou minha cara e talvez nem saiba que cada detalhe tem a mim impregnado! Muito amor por sua sensibilidade Nazira!!! 
 (Ansiosa por estreá-lo!).
E hoje chegou dos Correios presente de uma das minhas melhores amigas Luana Bomfim, um par de sapatos que só ela que me conhece perfeitamente acertaria em cheio todos os requisitos para amá-lo!
Gratidão profunda por esses presentes materiais e também pelos recados que recebo por mensagens todos os dias na forma de agradecimentos ou com Bom dia (a minha amiga Beth, todos os dias sem falha me envia msgs que falam de amor e o amigo Geraldo todo dia envia msg cristãs que inspiram o dia! ) .
À Juh, Gabriela Russo, Fernanda, pelo carinho e respeito que tem por mim, pelo meu trabalho e pelas mensagens lindas que escreveram a poucos dias!
Eu sou muito, muito feliz em tê-los em minha vida! 

Muita Paz e Luz!

Look


Turbante-se!
Hoje é dia de sair assim!
Porque gosto!



Por Antônia Pellegrino


Formatura da Quinta Turma de Iridologia


A divulgação é pouca, por uma razão grande: Eu quero que chegue até mim, gente das boas! Aquela gente que quando batemos o olhar temos a mais absoluta certeza que Deus "sentou" para fazer e fez com tal capricho, que quando cruzam o nosso caminho, a alma entende que despertarão o melhor em nós e em troca faremos o melhor também por eles.
Eu tenho orgulho e vaidade imensa de chamá-los de meus filhos-alunos!
Cada um deles com suas particularidades tão especiais e ao mesmo tempotão parecidos, faz com que meu coração encha de afeto em cada encontro e aumente meu desejo de cuidar e amar como toda boa mãe!
Esse foi mais um dia para celebrar: A formatura de minha quinta turma!
(Amanhã coloco todas as fotos!)
Gratidão a Deus, por estar sempre rodeada por suas melhores almas e formar humanos muito humanos e perceber que minha oração "que eu seja instrumento de tua paz" foi escutada.
Paz e Luz, queridos amigos!
Na foto: Um lanchinho para eles! 
(Para ver as fotos em tamanho maior é só clicar nelas)


Para os que despertam o melhor de mim, comemoração do ensinar e do aprender da Ciência mais bonita:Estudo da Íris!



















Chegada a época de Chai


E o perfumeee que inebria todos os sentidos!!! Culinária indiana! 




Chai para essa noite fria!
Há várias receitas! Uma bem simples que usei agora é essa: 1/2 xícara de água com 1/2 leite, açúcar à gosto, chá preto de boa procedência, um cardamomo, pimenta preta moída na hora, um pau de canela, três fatias finas de gengibre fresco.





Vício! 
Boa noite!

Jung e a Iridologia

Levando uma surra mental de Carl Jung. Bem que ele poderia ser mais sucinto tanto quanto Stanislav Grof.
Estudando para dar aula sábado!
Ó messa! 
‪#‎psicologiaaplicadaaIridologia‬

Passado um tempo...amando...

"O diagnóstico através das íris permite ter em mãos a chave silenciosa do organismo, dando ao examinado a condição de reverter e se preparar mentalmente e organicamente para seus dias futuros."
Entro em êxtase quando estou com material novinho recém descoberto!
Antes que perguntem: Iridologia é a ciência da leitura da condição do tecido por meio da íris do olho. A íris é uma extensão do cérebro conectada a todos os órgãos e tecidos do corpo. Via tálamo óptico e sistema nervoso, a íris se torna uma espécie de tela de televisão em miniatura que revela a condição das áreas mais remotas do organismo.
‪#‎PsicologiaaplicadaaIridologia‬
‪#‎Psicologiatranspessoal‬
Carl Jung in love!
Muito amor por nossos olhos! 

Créditos foto: Instituto Havid

Beatriz


"Se há uma coisa que fascina qualquer criança, principalmente as que vivem no interior, é procissão. Quando os santos são cultuados com devoção e os rituais obedecidos e praticados com total fé religiosa. Como toda criança, meu sonho era sair vestida de anjinho na procissão de Nossa Senhora da Imaculada Conceição. No Engenho da Cruz, onde vivemos um bom tempo, meu pai, que era devoto da Santa, preparava com todo o esmero a decoração do andor e as asas dos anjos. Durante mesesjuntávamos penas de patos, de pombo, de ganso e colocávamos tudo num saco enorme, em meados de novembro, começava a colagem na cartolina branca . Doze crianças escolhidas vestiam os camisolões de cetim lumière azuis e brancas e eu ajudava papai em tudo.
Quando a inspetora visitava a escola, eu sempre era a escolhida. Sambava, cantava e declamava. Era escolhida porque me tinham como a mais inteligente. Mas na hora da seleção das crianças para a procissão só íam as mais clarinhas.
Houve um ano que resolvi questionar aquilo. Eu já estava entendendo mais as coisas e certas atitudes me deixavam desconfortável.
- Professora, e a minha roupa?, perguntei em tom de reclamação.
- Beata, você não pode se vestir de anjo. Nem você, nem esses aí (só sobraram além de mim, mais um menino e uma menina preta). Você não pode ser uma filha de Maria.
- Por quê? Eu não sou filha de Papai do Céu?
- Não. Os filhos de Deus não são pretos, e você é preta!
E encerrou o assunto. Eu comecei a chorar. Foi o choro mais profundo que eu jamais tive."
Uma dor imensa ao ler isso. Ao ler ontem para o marido chorei novamente e dói hoje ao escrever. Entre tantas passagens emocionantes e tristes desse livro que me foi presenteada por um amigo que me é muito caro, revivi a dor de uma mulher que representa tantas outras mulheres, que sofrem ainda hoje o que ela sofreu quando ainda era uma menina.
Esse trecho do livro de Haroldo Costa representa não apenas Beatriz (a mãe Beata), mas cada menina e menino negros, cada menina e menino pobres, cada morador de comunidade, cada homossexual, cada religioso, cada artista (hoje chamados de vagabundos por deputado que não falo o nome), por todos os excluídos desse país. Quem nunca? Quem nunca foi-lhe tirado o prazer nessa vida...
Em tempo, em justa homenagem na Alemanha, ao saberem dessa história, mãe Beata de Yemonjá, da cidade de Cachoeira da Bahia, dona de tantos títulos, reconhecida internacionalmente ganhou asas imensas e luxuosa de seus anfitriões.
Paz e Bem!

Gostosuras da vida!


Das coisas que jamais faltam nessa casa: Café e Dulce de leche!
E com a repetitiva desculpa de: Dia cinzento, sem graça...eu trabalharei mais feliz quando eu comer essa única (!) colherzinha com um quentinho cafezinho. 
E assim a Glória se fez!
Salve o inventor de todas as coisas (essas coisas).
Boa Tarde. Passar bem!